Salta. Nossa viagem nas alturas.

Salta. Nossa viagem nas alturas.

Os vinhos argentinos são produzidos em lugares extraordinários, tão belos em paisagens quanto diversos em composição do solo. As zonas vinícolas de destaque do país são: Salta, Mendoza, Patagônia, Neuquén, e Rio Negro.

FullSizeRender (20)

Salta, no noroeste argentino, foi o destino escolhido para esta aventura. A região onde se localiza boa parte das bodegas mais conhecidas é Cafayate, nosso destino final, um simpático povoado localizado a 1.700 metros de altitude acima do nível do mar. Nosso grupo, que apresentou uma simbiose fantástica, desfrutou de oito dias de prazer sensorial, que se iniciou na tarde da nossa chegada em Buenos Aires, com um alegre almoço no restaurante Don Julio, próximo ao nosso hotel em Palermo. Na manhã seguinte rumamos em direção à nossa aventura enológica.

http://www.parrilladonjulio.com.ar/

Com dias quentes, noites frias e vinhedos nas alturas, a região de Salta nos oferece vinhos concentrados, aromáticos e bastante expressivos. As cepas emblemáticas são a Malbec, para tintos, e a Torrontes entre as brancas. Antes de seguirmos para Cafayate ficamos dois dias na cidade de Salta, capital da Província de Salta, onde nos aclimatamos com a cultura local. Uma parada sem dúvida estimulante para o que nos reservava as rotas de ida e volta à Cafayate. Duas estradas cenográficas que vão ficar para sempre em nossa memorial visual.

Na ida para Cafayate, nosso caminho pela lendária “Ruta 40”, estrada que está para a Argentina assim como a “Route 66” está para os EUA e que atravessa o país inteiro de norte a sul, com boa parte da estrada ainda em cascalho, foi uma experiência e tanto, e nos levou ao encantador povoado de Cachi, onde almoçamos no restaurante La Merced Del Alto, um hotel SPA muito lindo, com mais um visual estonteante, e degustamos excelentes vinhos com muita animação.

http://www.lamerceddelalto.com/

Após o almoço seguimos em direção ao, também encantador, povoado de Molinos, para pernoitarmos em um típica fazenda do século XVIII. La Hacienda de Molinos é um local mágico e cheio de história, localizado há 2.200 mts acima do nível do mar e rodeada pelos Valles Calchaquíes. Mais uma experiência inesquecível!

Dia seguinte partimos em viagem pela “Ruta Provincial 52” com destino à Colomé, onde fizemos a primeira parada técnica. A Colomé é a vinícola mais antiga da região, hoje com instalações modernas em meio a grande beleza que caracteriza toda a região. Fizemos uma impecável degustação de quatro vinhos: um Torrontés, um Savinghon Blanc, um Pinot Noir e um Malbec cortado com Petit Verdot e Syrah. Visitamos as instalações de vinificação e armazenamento, e finalizamos nossa experiencia com um almoço harmonizado com outros três vinhos: um Bonarda, um Malbec e um Torrentés, de fermentação interrompida, que acompanhou a sobremesa. Após o almoço, uma visita ao Museu de Arte, Luz e Espacio, dedicado exclusivamente a obra do artista americano James Turrell (The Hess Art Collection), surpreendeu e encantou a todos, e nos preparou para o próximo percurso da viagem, de 3h30h em meio a beleza dos Valles Calchaquíes.

http://www.bodegacolome.com/homepage/

Seguimos viagem para a encantadora cidade de Cafayate, nosso destino final, costeando montanhas de arenito multicoloridas de uma beleza estonteante. No primeiro dia em Cafayate almoçamos na bodega butique Casa de La Bodega, uma fazenda nos arredores da cidade, com uma bela adega e onde tivemos uma  agradável surpresa com os seus vinhos “de autor”. Mais uma deliciosa experiência enogastromonica, desfrutada junto à belíssima paisagem local.

http://www.lacasadelabodega.com.ar/

Final da tarde, novas aventuras enológicas nos aguardava na Bodega San Pedro de Yacochuya, uma visita fora da programação, que agradou a todos. Fomos recebidos com simpatia e atenção por um dos proprietários, degustamos ótimos vinhos, e registramos mais uma das belas paisagens locais.

http://yacochuya.com.ar/spy/

Outro dia, outros vinhos, mais sabor e mais sensações. Em apenas 10 minutos caminhando a pé desde o nosso hotel Astúrias, chegamos a Bodega El Porvenir escolhida unanimemente pelo grupo, com a melhor nota para o quesito “geral”. Fizemos a tradicional visita às instalações de vinificação e armazenamento, provamos vinhos direto das barricas, ainda em processo de produção, e fizemos uma degustação de cinco vinhos maravilhosos. Das instalações de produção seguimos para a Finca, localizada há apenas 04 quadras de distancia, onde nos aguardava uma equipe atenciosa e impecável, para o serviço do farto almoço harmonizado, em ambiente sofisticado pra ninguém botar defeito.

www.elporvenirdecafayate.com

O entardecer nos reservou outra experiência enológica inesperada, na Bodega El Esteco, onde fizemos mais uma visita seguida de degustação e registramos momentos de satisfação e alegria do grupo.

http://www.elesteco.com/comin/

Último dia antes de voltarmos a Salta para regresso ao Brasil, muitos brindes marcaram nossa passagem pela Bodega Piatelli, última parada técnica para um almoço harmonizado com excelentes vinhos, que teve direito a emoções pontuadas por discurso com poesia, momentos que ficarão para sempre em nossas memórias.

http://www.piattellivineyards.com/

De volta a Salta pela “Ruta 68” conhecida como a “Ruta Del Vino” do Noroeste Argentino, fizemos contato com outras paisagens belíssimas, de cores mutantes entre as matizes do verde e do vermelho, exóticas e deslumbrantes, tendo como cenário ao fundo, a Cordilheira dos Andes. Imagens que, sem dúvida marcará para sempre nossa memória visual.

Voltamos para casa, com certa ansiedade decorrente da forte turbulência politico econômica que está agitando o Brasil neste momento difícil, mas com a sensação de que celebramos a vida, a satisfação da conquista de novos amigos e a certeza de que SIM, o vinho agrega, aconchega e é uma das melhores formas de estimular a conversa e a amizade e fazer com que os momentos sejam muito especiais…

Comentários do Facebook

Share with:

FacebookTwitterGoogleLinkedIn